SYN.Tropia: Um concerto de dança para todas as audições


O programa do Festival Som Riscado descrevia «SYN.Tropia» como um concerto-dança para surdos e outras audições, numa coprodução do Cine-Teatro Louletano, do Centro de Estudos de Ovar e do Teatro de São Luiz que pretendia ir muito para além dos espetáculos sonoros a que estamos habituados a assistir. A conceção e interpretação são da responsabilidade de Yola Pinto (bailarina e coreógrafa) e Simão Costa (pianista e compositor), que desde 2011 têm trabalhado juntos na pesquisa em volta do som e das várias formas como pode ser escutado. “É um projeto que decorre do C_Vib, que esteve na edição de 2016 do Som Riscado, onde quatro esculturas sonoras exploravam, de uma forma bastante interativa, os percursos físicos do som, a relação do toque com a perceção sonora. Temos tido a sorte de nos cruzarmos com programadores culturais que acreditam francamente neste tipo de trabalho – às vezes sem se saber bem onde vão dar estas pesquisas e investigações – como é o caso do Paulo Pires, da Susana Duarte e da Fátima Alçada”, destaca Yola Pinto, depois de terminada a primeira sessão do dia 5 de abril.
O espetáculo utiliza, então, informações que provêm do som mas que não chegam através do ar, mas sim pelo tato e pela visão, traduzindo-se na fusão de duas realidades performáticas, a dança e o som, com sons graves para serem percecionados pelas pessoas surdas. “A ideia é tratarmos todos equitativamente nas suas diferenças e não deixamos de fora as pessoas que ouvem, embora o espetáculo remeta, claramente e desde o início da sua criação e pesquisa, para o paradigma de quem não ouve. Trabalhamos com o polo de Lisboa da Associação Portuguesa de Surdos, que nos acolheu com muito entusiasmo e simpatia, e há bastante para aprender com eles”, refere Simão Costa. “Temos o hábito de separar os sentidos, colocar cada um na sua gaveta, mas há diversos estudos recentes de neurologia e neurofisiologia que dizem que não é bem assim que as coisas funcionam. Há uma interinfluência muito maior dos cinco sentidos do que aquilo que acreditamos”, reforça o compositor. 


Do conceito à prática, «SYN.Tropia» não tem um enredo propriamente dito, antes, sim, uma segmentação dramatúrgica mais ligada às formalidades da música, ou seja, é um espetáculo dividido em sete faixas, ecossistemas. “Esta ligação entre a sintropia, que significa juntos na mesma direção, na mesma forma, e o seu oposto, a entropia, que personifica a desorganização do sistema, é explorada por estímulos visuais, objetos, luzes, desenhos, movimentos, tudo o que provoque o som”, adianta Yola Pinto. Depois, em palco, a dupla desfruta dos muitos meses de pesquisa e trabalho árduo. “Por mais enfase que possamos dar à dinâmica do processo, subir ao palco é o momento de apresentação dos resultados. Há muitos pormenores a desenvolver para além da performance, porque estamos também a dirigir todo o projeto, e valemo-nos da experiência acumulada e da escolha dos tempos e segmentação para que tudo corra bem”, acrescenta Simão Costa.
Quando entra o público, a dupla sabe bem o que tem que fazer, mas não entra simplesmente em piloto-automático, porque cada espetáculo encerra os seus próprios mistérios. “Dado o nível de detalhe exigido, reservamos uma boa parte da nossa energia para o momento da interpretação. Estamos em constante escuta e diálogo com o público, caminhamos juntos, há uma grande disponibilidade para encaixarmos as suas reações no espetáculo. O público é a última peça do puzzle, que convidamos para se sentar, connosco, numa plateia cheia de dispositivos estáticos”, sublinha Yola Pinto. Simão Costa lembra, entretanto, que a natureza é, em muitos casos, sintrópica, produz mais energia do que utiliza. “Pensamos que o dispêndio de energia tem um desperdício, uma componente que é incontrolável, andamos sempre numa dinâmica de esforço. Contudo, na natureza, apanhamos boleia de sistemas mais abrangentes. Neste espetáculo, definimos dinâmicas de improvisação, mas estruturadas, mudando os tempos em função da reação do público”, descreve o músico. “Se as dinâmicas de jogo se estabelecerem de forma favorável, há secções que crescem. Quando as pessoas não estão tão disponíveis, cumpre os objetivos a que se propôs e seguimos para a «faixa» seguinte. É um concerto de dança onde exploramos e evidenciamos a maneira como o som tem impacto no corpo”, concluem Yola Pinto e Simão Costa, antes de começarem a preparar o espetáculo do início da tarde.

Texto: Daniel Pina | Fotografia: Daniel Pina

Leia a reportagem completa em:
https://issuu.com/danielpina1975/docs/algarve_informativo__102

0 comentários:

Enviar um comentário