Vida e obra de Casimiro de Brito evocadas na Biblioteca Municipal de Olhão


Na Biblioteca Municipal José Mariano Gago, todos os meses são dedicados a um autor e, em abril, a escolha recaiu sobre Casimiro de Brito. Recorde-se que, no âmbito do I Festival Literário Internacional de Querença, promovido pela Fundação Manuel Viegas Guerreiro, foi prestada homenagem ao escritor através da exposição «Entre mil águas: vida literária de Casimiro de Brito», que chega agora a Olhão, sendo composta por sete painéis articulados e um vídeo.
Casimiro de Brito nasceu em 1938 em Loulé. Viveu a sua infância na região algarvia, completando o Curso Geral do Comércio na Escola Industrial e Comercial de Faro. Em 1956, criou no jornal A Voz de Loulé uma página literária designada «Prisma de Cristal», que se publicou até 1959. Nela colaboraram, entre outros, Ramos Rosa, Gastão Cruz e Maria Rosa Colaço. De 1958 a 1964 dirigiu a coleção de poesia «A Palavra».
Depois de uma passagem por Londres, em 1958, fundou, com António Ramos Rosa, os «Cadernos do Meio-Dia», onde se revelaram os poetas do movimento literário «Poesia 61». Emigrado na Alemanha em finais dos anos 1960, estabeleceu-se em Lisboa, em 1971, desempenhando funções no setor bancário. Poeta, romancista e ensaísta, Casimiro de Brito tem cerca de 60 livros publicados, traduzidos em 26 idiomas.