Faro investe um milhão de euros no associativismo do concelho


A Câmara Municipal de Faro aprovou, no dia 28 de junho, por unanimidade, a proposta de atribuição dos apoios ao associativismo, resultante da apreciação das candidaturas ao programa destinado às associações de cariz social, cultural, desportivo e juvenil do concelho. O programa suporta, de uma forma transparente e criteriosa, as atividades levadas a cabo no corrente ano, em conformidade com o Regulamento de Apoio ao Associativismo do Município de Faro aprovado em 2016.
Este ano foi possível atribuir uma verba de cerca de 845 mil e 327,80 euros, o que representa um acréscimo de cerca de 15 mil euros em relação ao ano transato. Em matéria de associativismo desportivo, as 50 candidaturas aprovadas recebem um montante global de 414 mil e 364,08 euros; quanto aos apoios culturais, o valor total é de 229 mil e 975,46 euros, a distribuir por 48 associações do concelho; já os apoios financeiros ao associativismo social foram atribuídos a 26 candidaturas aprovadas, no montante de 159 mil e 421,86 euros. Finalmente, para o associativismo juvenil, ficaram aprovados 31 mil e 33,20 euros, a entregar a cinco entidades.
Na mesma reunião foram também aprovados apoios pontuais no montante de 156 mil e 700 euros relativos a propostas que não tinham cabimento no Programa mas que, ainda assim, eram fundamentais para a prossecução da política definida de desenvolvimento da imagem e da economia do concelho. São os casos do evento mototurístico «Portugal de Lés-a-Lés» e do Festival Nacional de Ginástica. Ainda neste âmbito, foi deliberado atribuir um montante de 65 mil euros à concretização de iniciativas de animação e promoção do comércio tradicional do concelho, a levar a cabo pelas associações ACRAL, AHISA e ACZHF (Associação dos Comerciantes da Zona Histórica de Faro) e, finalmente, um apoio de 10 mil euros à Fábrica da Igreja Paroquial de Montenegro para a obra de recuperação da torre sineira do respetivo templo.
Para o Presidente da autarquia, é fundamental valorizar o papel do associativismo, “em termos que correspondam ao valoroso contributo que as nossas coletividades e associações prestam ao desenvolvimento do concelho”. Sobre o aumento dos montantes a atribuir, Rogério Bacalhau justifica: “Se temos hoje capacidade para um apoio financeiro efetivo, isso é porque levámos a bom porto um duro processo de restauração das finanças e da operacionalidade da autarquia, que culminou este ano com a liquidação do PAEL e do Plano de Reequilíbrio Financeiro e, em consequência, com a recuperação da nossa operacionalidade e autonomia plenas”.