Município de Portimão quer repor rapidamente Veículo de Combate a Incêndios Florestais que ardeu em Monchique

A Câmara Municipal de Portimão encontra-se a diligenciar, através do Serviço Municipal de Proteção Civil e com a Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Portimão, a substituição imediata do Veículo Florestal de Combate a Incêndios, totalmente destruído pelo incêndio do dia 12 de junho, na freguesia de Marmelete, concelho de Monchique.
A viatura do Corpo de Bombeiros de Portimão foi adquirida em 2014, no âmbito do plano de reequipamento da Proteção Civil, pelo valor de 122 mil e 160 euros, com comparticipação de fundos comunitários através do PO Algarve 21 a 85 por cento, tendo o Município de Portimão assumido a comparticipação nacional. Uma vez que se trata de um meio técnico de extrema utilidade, todos os esforços estão a ser concentrados na reposição imediata de um veículo imprescindível para a capacidade de resposta numa área tão sensível como os incêndios florestais.
A Câmara Municipal de Portimão já tomou as necessárias diligências para acelerar o processo de reposição desta ferramenta essencial para os Bombeiros de Portimão e, independentemente da comparticipação prevista pela administração central, a edil Isilda Gomes levará à próxima reunião de câmara a proposta de apoio imediato à Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Portimão, os quais já receberam propostas de fornecimento de um veículo similar na ordem dos 145 mil euros, assumindo desde já o restante valor necessário para a sua reposição emergente (valor já estimado em cerca de 25 mil euros).
A Câmara Municipal de Monchique já disponibilizou uma verba para apoiar a reposição imediata do veículo em apreço, gesto que, segundo a presidente da autarquia, “merece a nossa gratidão e demonstra bem a forma solidária e coesa como se enfrentam os desafios do dia-a-dia no âmbito da proteção civil na Região do Algarve”. “Esta área estratégica é entendida por todos os autarcas como transversal, independentemente da divisão administrativa de cada Município, porque uma resposta eficaz e eficiente tem que funcionar de forma integrada e supramunicipal. Exemplo disso é o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais, cujo apoio financeiro é assumido equitativamente por todos os Municípios, independentemente da área florestal que possua”, reforçou Isilda Gomes.