“Queremos que o Algarve seja uma região de excelência também na área da Saúde”, afirma Paulo Morgado


Quando se caminha a passos rápidos para o pico da atividade turística na região, os algarvios têm motivos para ficar mais tranquilos no que toca à área da saúde. Depois da reabertura das Extensões do Azinhal e da Bordeira, com a de Vaqueiros a seguir o mesmo exemplo em breve, foram agora abertas as candidaturas para médicos especialistas para reforçar a assistência médica no Algarve durante o Verão. E mais boas notícias estão na calha, de acordo com Paulo Morgado, presidente da Administração Regional de Saúde do Algarve.

Texto: Daniel Pina | Fotografia: Daniel Pina

A época balnear abriu, oficialmente, a 1 de junho, mas as praias algarvias, e a região em geral, já são procuradas por milhares de turistas estrangeiros e nacionais há largas semanas. Visitas a lazer onde a existência de cuidados de saúde adequados são sempre uma das primeiras preocupações, tanto nos espaços convencionais – hospitais, centros de saúde e extensões de saúde – como em unidades de maior proximidade. E o Algarve está preparado para a enchente que se espera para o Verão 2017, garante Paulo Morgado, presidente da Administração Regional de Saúde do Algarve. “Vamos ter postos de saúde a funcionar nas praias, entre 3 de julho e 3 de setembro, desde Aljezur a Vila Real de Santo António, em colaboração com a Cruz Vermelha. Serão 32 postos de praia, abertos das 10h às 19h, com enfermeiros devidamente preparados e com todo o equipamento necessário para se fazer o tratamento e observação de todos aqueles que escolhem o Algarve para passar as suas férias”, adianta Paulo Morgado, falando em quase oito mil e 500 atendimentos no Verão transato.
Cuidados de saúde de proximidade que são bastante importantes para a perceção de bem-estar e de segurança de quem nos visita e não é por acaso que Portugal foi recentemente considerado o terceiro país mais seguro do Mundo. “É precisamente por isso que já estamos a trabalhar naquilo que vai ser o projeto do próximo ano, queremos incrementar este serviço no Verão de 2018. É uma resposta prioritária, de grande visibilidade, que corresponde às necessidades das pessoas e que transmite uma sensação subjetiva de segurança aos turistas”, justifica, lembrando ainda todas as campanhas de sensibilização que são levadas a cabo, antes da chegada do Verão, pela Direção Geral de Saúde a nível nacional, no âmbito do Plano de Contingência para a Saúde Sazonal. “Alertam para os cuidados a ter com as ondas de calor, a radiação solar, a desidratação, com as crianças e as pessoas mais vulneráveis, nomeadamente os idosos. Os postos de praia asseguram a resolução dos pequenos problemas que podem surgir quando há grandes aglomerações de pessoas, no contato com o mar, com uma atividade desportiva. Os casos mais graves obviamente que são transferidos para as unidades preparadas para lidar com eles”, frisa o entrevistado.
Atenções com a saúde que, como é natural, se devem ter ao longo de todo o ano, de forma constante, e são várias as autarquias algarvias que dinamizam, elas próprias, campanhas com vista ao bem-estar das suas populações, desde o combate ao tabagismo, ao alcoolismo, à hipertensão arterial, entre outras. Sobre esse assunto, Paulo Morgado destaca, de imediato, a excelente relação que existe entre a ARS/Algarve e o poder local. “É claro que ainda não está tudo bem no Algarve em termos de saúde, mas os nossos indicadores dizem-nos que a situação está francamente melhor. O objetivo é que a ARS/Algarve e as instituições de saúde da região possam terminar 2017 com mais profissionais na prestação de cuidados – sejam médicos, enfermeiros ou outros técnicos – isto é, com uma maior capacidade para resolverem os problemas das pessoas que cá vivem e trabalham o ano inteiro. As autarquias também se interessam cada vez mais pelos problemas de saúde pública e tenho sentido uma disponibilidade total da parte delas para trabalharmos em conjunto para esse fim”, garante Paulo Morgado. “Há condições para que esta parceria entre a ARS/Algarve e as autarquias possa dar mais frutos no futuro, com projetos locais e outros de âmbito mais regional que possam contribuir para melhorar a qualidade de vida das populações”.

Leia a entrevista completa em:
https://issuu.com/danielpina1975/docs/algarve_informativo__111

0 comentários:

Enviar um comentário