FATACIL 2017 quer ser a melhor de sempre


Foi apresentada à comunicação social, no dia 14 de julho, no Anfiteatro da Ermida de Nossa Senhora da Encarnação, no Carvoeiro, a 38.ª edição da FATACIL, a maior feira generalista do Algarve e uma das maiores do país que irá decorrer entre 18 e 27 de agosto. O cartaz, como de costume, contempla artistas de top nacional capazes de potenciar o reencontro de várias gerações, designadamente Agir (dia 18), Richie Campbell (dia 19), João Pedro Pais (dia 20), GNR (dia 21), Dengaz (dia 22), Quim Barreiros (dia 23), a dupla Carminho/Tiago Bettencourt (dia 24), Xutos e Pontapés (dia 25), Matias Damásio (dia 26) e D.A.M.A (dia 27).
Na feira estarão presentes cerca de 700 expositores, distribuídos por uma área superior a 50 mil metros quadrados, e os motivos para uma visita não se esgotam nos concertos do Palco Principal. De facto, o Setor Equestre, coordenado mais uma vez por Emídio Paias, já se tornou uma referência nacional e internacional e vai fazer justiça a esse estatuto. Assim, Clémence Faivre, amazona e criadora de cavalo lusitano, estreia-se em Portugal com o show «Gotan», destacando-se ainda a presença de Cancella de Abreu, que vai mostrar as fases de treino de um cavalo, e o espetáculo «PatrimóniUs», concebido especialmente para esta edição da FATACIL e que vai juntar o Fado, o Cavalo Lusitano e o Cante Alentejano.


À gastronomia, muita e variada, e aos momentos de animação de rua junta-se ainda a visita obrigatória ao espaço «Amar a Terra», sob a responsabilidade da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve. É neste espaço que se poderão encontrar os produtos típicos da região como o vinho, o mel, os doces regionais, os enchidos, o figo, a amêndoa, a alfarroba, os citrinos, o artesanato, entre muitos outros. O setor agropecuário dá especial destaque aos criadores de todo o Algarve e, além da mostra de raças nacionais e algarvias, propõe o concurso nacional de ovelha churra algarvia, bem como uma atenção especial ao cão do Barrocal Algarvio.
Em termos de entradas, os preços mantêm-se (3,5 euros/dia; 12,5 euros/dia para uma família de quatro pessoas; 20 euros para os 10 dias) e reforçou-se a capacidade de estacionamento em cerca de mil viaturas. Deste modo, a feira conta com um novo parque, junto aos Supermercados Aldi e Apolónia, elevando para sete o número de parques e a capacidade total para perto de quatro mil viaturas. Tudo isto implica um orçamento de 850 mil euros para a edição de 2017 da FATACIL, valor idêntico ao do ano transato.
Perante estes pergaminhos, Francisco Martins, presidente da Câmara Municipal de Lagoa não tem dúvidas de que “esta será a melhor FATACIL de todas, porque é sempre esse o nosso desafio”. O autarca recordou que 2016 foi um ano de grandes mudanças no principal evento do concelho, a começar pela extinção da FATASUL e a passagem da organização para a competência da câmara municipal, bem como algumas alterações físicas no espaço. “Este ano fizemos mais melhoramentos, nomeadamente o reforço da iluminação, para tornar o espaço cada vez mais agradável e moderno, sem, com isso, descaracterizar a feira. Teremos igualmente a apresentação do projeto de requalificação daquele espaço, algo que é falado há mais de 20 anos, e ali vai nascer o grande pulmão de Lagoa”, adiantou Francisco Martins.
A vertente agropecuária é uma das estrelas da FATACIL e Fernando Severino, Diretor Regional de Agricultura e Pescas do Algarve, lembra que alguns setores que estiveram esquecidos no passado recente, hoje são uma bandeira e uma mais-valia da região algarvia. “Os recursos endógenos regionais constituem um fator de diferenciação do nosso Algarve para além do Turismo”, salientou o dirigente, falando em 32 stands na zona «Amar a Terra» e chamando igualmente a atenção para a demonstração ao vivo do artesanato regional. Em parceria com a DOCAPESCA e a Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve vão ser dinamizados showcookings e não faltará uma tenda institucional com a presença da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária, a DOCAPESCA, os Grupos de Ação Costeira, a Agência Portuguesa do Ambiente, a Universidade do Algarve, o Centro de Ciência Viva e o EuropeDirect, entre outros. “Para o público infantojuvenil teremos iniciativas de educação ambiental”, acrescentou Fernando Severino.
Sobre os artistas em cartaz, André Sardet, responsável pela programação do Palco Principal, sublinhou que alguns deles vêm ao Algarve em exclusivo à FATACIL, enquanto outros concertos dificilmente se conseguirão ver mesmo noutros pontos do país. “O espetáculo da Carminho e do Tiago Bettencourt, por exemplo, foi preparado de propósito para duas datas, uma delas aqui em Lagoa. Vai ser um acontecimento único, que não é para repetir ou banalizar em todo o lado”, garantiu o empresário.
A finalizar a apresentação da 38.ª FATACIL, Francisco Martins lembrou que, em 2016, o certame foi visitado por 175 mil pessoas. “A nossa estratégia nestes quatro anos tem sido recuperar o prestígio da FATACIL, que não pode ter aquela imagem da velha burguesa com as rendas podres, mas que continua a viver do nome da família. Aumentamos significativamente o número de expositores e, este ano, como a procura foi maior do que os stands disponíveis, fizemos uma escolha muito mais criteriosa em determinados setores”, referiu o edil lagoense. “A expetativa é que o grau de satisfação dos visitantes seja elevado”, terminou. 

Texto: Daniel Pina | Fotografia: Daniel Pina