Mariza, Tomatito e Carlos Saura no Festival de Lucía em Castro Marim


A vila de Castro Marim vai ser palco de homenagem ao eterno génio da guitarra e mestre absoluto do flamenco contemporâneo, Paco de Lucía. O Festival de Lucía, com edição zero em 2016, alarga-se este ano a novos espaço da vila e decorre durante dois dias, 18 e 19 de agosto.
Tomatito, grande guitarrista de flamenco, é o artista convidado para o primeiro dia do Festival, com palco no Revelim de Santo António, pelas 22h. Dedicado à arte da guitarra flamenca, Tomatito foi descoberto por Camarón de la Isla, a quem acompanhou durante os últimos 18 anos da sua vida. Atualmente, é um dos mais conceituados músicos de flamenco, tendo já atuado ao lado de nomes tão importantes como Paco de Lucía, Elton John e Chick Corea. Participou ainda no filme «O Advogado do Diabo», ao lado de Al Pacino. Em junho de 2004 editou «Aguadulce», que obteve o Grammy Latino 2005 de Melhor Álbum Flamenco.
No dia 17 de agosto, antes do grande concerto em Castro Marim, Tomatito fará uma «Serenata a Lucía», em Monte Francisco, uma homenagem à mãe de Paco, Luzia Gomes, dali natural. No dia 19 de agosto, o Festival de Lucía recebe a sua madrinha e embaixadora, a nossa voz no mundo, a fadista Mariza, com o seu concerto «Mundo», pelas 22h, no estádio de futebol. Os residentes do concelho de Castro Marim terão acesso gratuito ao concerto de Tomatito, tendo apenas que levantar os seus bilhetes nos referidos locais de venda, exceto na BOL, fazendo-se acompanhar de um comprovativo de residência, e sujeito à lotação do espaço, considerando os bilhetes em venda.
Além da música, o Festival de Lucía abraçou este ano outras expressões artísticas. Na Casa do Sal estará patente «Memória de Paco de Lucía», uma exposição virtual dedicada à vida e obra do genial guitarrista. A pintura e a fotografia serão representadas por Carlos Saura, que fará, durante os dois, uma interpretação artística do Festival. Carlos Saura dirigiu o filme «Carmen» (1983), com um elenco onde também entrou Paco de Lucía.
Num âmbito mais formativo, o Festival de Lucía acolhe, no dia 19, a partir das 18h, duas masterclasses. A primeira, pelo jornalista e crítico musical Nuno Galopim, que podemos ler regularmente no Expresso, revista Blitz, Time Out e Metropolis, com o tema «Eurovisão: O artista e a Promoção da sua Geografia». Segue-se a de «Guitarras do Mundo», por Henrique Vieira, guitarrista e professor de Educação Musical e de Espetáculo e Multimédia, que irá explorar guitarras acústicas, abrindo um vasto leque de possibilidades através da utilização e fusão de técnicas que, normalmente, não estão relacionadas com determinados géneros musicais.
Enlaçados ainda com o Festival de Lucía estão as atuações do Projeto «Amar Guitarra», em Vila Real de Santo António, e da «Academia Gracia Diaz», em Altura. O Festival de Lucía é apoiado pelo PO CRESC ALGARVE 2020, com uma taxa média de cofinanciamento a 60 por cento pelo FEDER, durante dois anos. No âmbito do Festival de Lucía está inserido o Festival de Guitarras, comparticipado pelo INTEREGG V A.