Post Page Advertisement [Top]

As «Cenas e Mambos» de Nuno Murta

As «Cenas e Mambos» de Nuno Murta

Esteve patente, de 21 de julho a 11 de agosto, na sede da PAS – Peace and Art Society, na Casa do Jardim do Jardim da Alameda, em Faro, a exposição «Cenas e Mambos», o resultado final de uma residência criativa do professor de artes visuais, músico e ator Nuno Murta. O farense de 41 anos é Mestre em Comunicação, Cultura e Arte e faz parte da PAS desde 2014, tendo já participado em exposições coletivas em Portugal, Espanha, Sérvia e Coreia do Sul, fazendo agora a sua estreia em mostras individuais.

O ponto de partida para «Cenas e Mambos» foi o documentário «The Noise» de Samira Winter e, à semelhança de uma performance de música experimental improvisada, e seguindo as propostas da artista e professora Andrea Pensado, assumiu-se que os erros, os acidentes, os acasos e as incertezas que surgissem durante a residência de duas semanas na Casa do Jardim seriam muito bem-vindas. Procurou-se, também, chegar a um sítio em que a intuição, o sentimento e a irracionalidade se sobrepusessem à razão… e esse sítio foi «Cenas e Mambos». “É uma exposição de artes visuais, porque não pinto nem desenho, trabalho com colagens, fotografias e outros materiais. É uma coisa que já faço há muitos anos, simplesmente a minha faceta musical tem tido mais impacto e reconhecimento, a nível regional e nacional”, explica o músico dos OrBlua, entre outras bandas, e presidente da Associação Fungo Azul.

A entrada para a Peace and Art Society deu-se, em 2014, a convite do presidente da época, Paulo Duarte Filipe, tendo feito uma instalação para a exposição «My Fukushima» que juntou cerca de 100 artistas plásticos. O percurso foi-se fazendo de forma gradual, sem sobressaltos, até que Júlio Antão, o atual líder da PAS, o desafiou para efetuar uma exposição individual. “Estou habituado à música e ao teatro, que são artes coletivas, aqui também só tinha trabalhado em grupo, o que de certa forma nos protege. Numa exposição coletiva dão-nos um tema, temos um ponto de partida. Neste caso concreto estou sozinho, eu é que tive que procurar e encontrar o caminho a seguir”, distingue Nuno Murta.

Texto: Daniel Pina | Fotografia: Daniel Pina

Leia a entrevista completa em:
https://issuu.com/danielpina1975/docs/algarve_informativo__167

Bottom Ad [Post Page]